Projeto EMPREENDER COLABORAR TRANSFORMAR

Existe um movimento crescente de pessoas que se dedica à resolução de problemas da sociedade através de iniciativas inovadoras, sustentáveis e solidárias. Participar deste movimento é a proposta do Projeto “empreender COLABORAR TRANSFORMAR”. Incentivar os alunos da Escola Secundária de Miraflores a criar mais e melhor valor para a sociedade é o grande objetivo deste projeto.

Para atingir este objetivo inspiramo-nos nos inúmeros exemplos de empreendedorismo, nomeadamente o social, que nos entusiasmam e fazem acreditar num rumo verdadeiramente gratificante para o mundo em que vivemos.

Alda Coutinho

Teresa Ferreira

Passos importantes no caminho de uma iniciativa empresarial


  • IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA (é necessário que o empreendedor social tenha uma visão geral do problema que quer resolver) 
  • PROPOSTA DE VALOR (a proposta de valor que vai entregar)
  • DESENHAR A SOLUÇÃO (a solução sustentável que propõe desenhar)
  • PROJETO PILOTO (é necessário um foco muito claro na execução de um piloto que teste e valide a solução desenhada)
  • IMPACTO SOCIAL (mudança gerada na sociedade e/ou bem estar dos indivíduos)
  • Por fim, é preciso comunicar aquilo que se sonhou e se realizou: chegou a altura de comunicar a iniciativa de uma forma muito clara, inspiradora e objetiva.
  •                                                       Fonte: Manual para Transformar o Mundo


Seguindo os passos necessários neste caminho da iniciativa empresarial, o projeto Sabedoria Vintage, candidato ao desafio de Empreendedorismo Social, lançado no âmbito da iniciativa Faz - Ideias de Origem Portuguesa, faz-nos acreditar no valor infinito que podemos acrescentar às nossas vidas.



4 comentários:

  1. Sabes, Teresa, tenho a certeza que os teus alunos vão ver o curso deles de uma maneira muito diferente e serão profissionais que saberão fazer a sua história; acima de tudo saberão que ter lucro para investir é muito importante, mas o principal investimento, aquele onde têm que gastar mais dinheiro e onde têm de colocar as suas primeiras preocupações é no material humano. Só poderão ter sucesso se todos aqueles que contribuem para o sucesso deles se sentirem bem , felizes e realizados; há que partilhar tudo dentro de uma empresa, de uma família, de uma sociedade. Não haveria fome se soubessemos fazer partilha de conhecimentos, de trabalho de incentivo. Se temos um ideia, por que não partilhá-la convidando outros a segui-la e colaborando todos no resultado dessa ideia? Por que se manda funcionários para a rua se os lucros são menores, se a empresa está com algumas dificuldades? Em vez disso por que não usar o incentivo, o diálogo para que todos entendam que, se agora os problemas existem eles acabarão se cada um der o seu melhor, se trabalhar um pouco mais, mesmo ganhando um pouco menos; aceitariam uma proposta destas se soubessem que, acabados os problemas seriam outra vez ouvidos para colaborarem na volta do crescimento da empresa e consequentemente nos lucros com um aumento salarial.. Se houvesse a cultura dessa partilha, como se de uma familia se tratasse com certeza o mundo dos negócios ia melhor e o desemprego seria menor. Há felizmente alguns bons empresários que sabem ter essa economia solidária, mas são muito poucos e por isso é que seria fundamental que nas escolas formassem os nossos jovens dando-lhes sempre a consciência de que não serão bem sucedidos sozinhos e portanto há que tentar envolver todos em tudo, independentemente da idade ou experiência.; até esta tem que ser partilhada,; se um tem mais tem que a dividir com o que tem mesmo. Adorei este video e a história da pedra..Parabéns, Teresa, fantástico trabalho que fazes junto dos teus alunos. Continuo a dizer que não é só o Aluísio que é fantástico,; conheço pelo menos mais uma professora FANTÁSTICA! Beijinhos e até sempre.
    Emília

    Ps. Não sei se entendi muito bem o significado de economia solidára, mas,haverá sempre uma professora capaz de me explicar melhor, não é verdae, amiga?
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom lê-la aqui, Emília, e que saudades já tinha das suas palavras tão acertadas e incentivo que nos dão. Sabe, este fim de semana estive num evento que foi o Greenfest realizado no âmbito da economia da partilha e confirmei aquilo que tentei transmitir no último post: já existem muitos indícios de uma nova consciência, de novas formas de pensar a economia. Fiquei mesmo esperançada com todas as iniciativas daqueles jovens (algumas delas refiro no post com o respetivo link). Sim, acredito que estamos no caminho de um mundo novo, ou pelo menos que existe uma fresta em que a luz começa a entrar. A fresta, acho mesmo, que já é grande e traz-nos o alento para acreditar num "novo possível". Muito obrigada, Emília, por fazer parte desta luz que nos acolhe. Uma feliz semana!

      Teresa

      Excluir
  2. Faltou dizer que entendeu muito bem o significado de economia solidária: a economia que busca uma nova ligação entre o económico e o social, a economia que serve para tecer laços ainda antes de satisfazer necessidades. Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Teresa ter ficado com a ideia de que uma nova ideia de economia está a surgir. Fico contente, pois pemso que está mais que comprovado que do jeito que está tudo não iremos a lugar nenhum. Está na hora de começar a mudança de mentalidades. Fiquei também contente por ter entendido o significado de economia social, aliás, quando nos preocupamos com os outro não é difícil entender que a solução será a economia pensada a favor de todos. Muito obrigada, ( professora ) pela explicação
      . Beijinhos e boa noite.
      Emília

      Excluir